PENSO, LOGO FALO INGLÊS

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

INGLÊS | HISTÓRIA DA LÍNGUA GLOBAL


INGLÊS | HISTÓRIA DA LÍNGUA GLOBAL
 Alguém disse: “Dinheiro e riqueza material serão substituídos por informação e conhecimento na estrutura da sociedade humana presente.” Isso implica o analfabetismo! Não estou falando do analfabetismo da nossa língua – o português; mas estou falando do analfabetismo da língua inglesa. Uma vez que a era da informação que vivemos exige de nós autonomia e domínio pleno em nossa língua portuguesa e na língua inglesa.
Nos anos 80 e 90 apenas cargos de alto escalão como os dos grandes executivos, exigiam fluência na língua inglesa. Agora é diferente porque o mundo faz circular conhecimento e cultura em inglês. É em inglês que são trocadas informações, divulgado pesquisas, elaborados manuais científicos e técnicos. Isso acontece em países que não tem o inglês como língua oficial.
Mas a história da língua inglesa começou a dezenas de séculos atrás. As ilhas britânicas receberam influências de línguas antigas dos germânicos, a saber, anglo-frísio e saxão. Somando-se a isso, o latim foi língua dominante por lá por séculos. Tudo isso foi nos idos dos anos 400, isto é, século V. O poema épico Beowulf foi escrito numa dessas línguas embrionárias do inglês.
Percorrendo por todo esse percurso, o inglês foi sofrendo mudanças graças aos contatos com inúmeros dialetos e línguas. Os estudiosos dividem o inglês em antigo, médio e moderno. O dialeto de Londres foi o balizador da língua inglesa. Geoffrey Chaucer com suas The Canterbury Tales ajudou nesse processo.
No século XVI, isto é, nos anos de 1501; o inglês entrou na fase moderna. William Shakespeare com suas obras clássicas, juntamente com a versão bíblica do Rei Jaime (King James), deram formas modernas que conhecemos e estudamos hoje. É claro que um texto de 500 anos atrás é um pouco diferente em se comparando com um texto de hoje. Mas qualquer um que sabe inglês tem acesso ao texto dessa época.
Os estudiosos linguistas tem várias metodologias para explicar o fenômeno da língua inglesa. Kachru, por exemplo, classifica em Expanding Circle, Inner Circle e Outer Circle para explicar como a língua inglesa se tornou uma língua global. Outros partem de outras perspectivas. Acho que todas são válidas. A dispersão da língua inglesa compreendida por fases é interessante. A primeira incursão foi dentro de seu próprio território – Reino Unido. Língua regionais como o Gaélico e outras perderam força diante do Inglês. A segunda incursão se deu com o avanço para as colônias das Américas e da Oceania. A terceira incursão alcançou os povos da Ásia e África. E a última incursão ocorreu devido a liderança americana no mundo e o aparecimento da era da informação.
Se marcarmos a história com fatos, podemos ver três pontos. A Inglaterra com o seu poderio econômico nos idos de 1800, expandiu seu colonialismo. Essa foi a época da revolução industrial. O segundo fato se deu pelo aparecimento dos Estados Unidos no cenário mundial nos anos de 1900. O poderio político, militar e econômico fez com que a língua inglesa desbancasse o francês como língua diplomática. As guerras desse século selou o poderio americano, e, a língua inglesa foi de brinde. E o terceiro fato marcante foi o surgimento e o fortalecimento da TV, Telecomunicação, Rádios, Satélites, Internet, e a Mídia em geral. Em outras palavras – a era da informação.  Esse fato terceiro fez com que vivêssemos numa vila global.
Alguns pesquisadores colocam a questão da identidade frente a essa vila global que exige o domínio da língua inglesa. O termo inglês mundial, inglês internacional e inglês língua franca expõem bem a questão. Compreender o inglês como uma língua sem dono e sem território mundializa a língua inglesa. Quando se tem o inglês como uma língua de comunicação apenas; em que não se perde valores e elementos da própria cultura, internacionaliza a língua inglesa. E quando pessoas não nativas usam o inglês para falar com outros povos não nativos dessa língua, veste-se o inglês de uma roupa chamada: língua franca.
Interessante tudo isso! Não podemos nos esquecer que devemos estudar e conhecer as culturas americanas e britânicas sem idolatria. Quem aprende inglês não pode deixar a cultura dos outros destronar a sua própria. Tentar falar igual a eles é loucura. Só nos EUA há mais de 14 jeitos de falar e no Reino Unido existem outras dezenas.
Não precisamos passar por um nativo da língua inglesa ao se falar o inglês, pois não somos nativos dessa língua. Precisamos sim ser claros gramaticalmente. Devemos sim sonorizar o inglês de forma nítida, límpida, sem margem de embaraços fonéticos. Precisamos e devemos praticar um inglês fluente sem perdermos nossa identidade de brasileiros.

domingo, 28 de outubro de 2018

AS 7 LÍNGUAS MAIS IMPORTANTES PARA SE APRENDER


AS 7 LÍNGUAS MAIS IMPORTANTES PARA SE APRENDER

É inquestionável que vivemos num mundo globalizado! É, também, inquestionável que as ferramentas e os aplicativos de tradução não podem substituir o prazer de você falar as línguas globalizadas. Algo que também pode ser computado como inquestionável, é o fato da língua portuguesa ser importante. Uma prova disso é que a maioria dos levantamentos das dez línguas mais importantes do mundo, sempre encontraremos o Português entre elas. E como falante dessa língua, já começamos a marcar ponto frente a esse mundo globalizado. Mas vamos às sete línguas que são as mais importantes para você aprender.
Depois de fazer vários levantamentos e analisado sob muitos aspectos, classifico as sete línguas mais importantes do mundo para se aprender, e participar da contemporaneidade globalizada. É claro que você pode discordar! Comente o porquê de sua discordância.
Há mais de 6 mil línguas no mundo. Há, também, mais de 2 mil línguas com um grupo de falante de menos de 1 mil pessoas. As línguas indígenas são os casos mais conhecidos no quesito escassez de falantes nativos. E dizem que apenas 15 línguas dessas 6 mil abarcam mais da metade dos falantes do mundo. Dessas 15 quero mostrar apenas 7 que estão no topo enquanto importância frente a globalização.
Leve em consideração os seguintes requisitos de classificação:
Ø Facilidade na comunicação
Ø Participação na cultura mundial
Ø Impacto na economia
Ø Poder político-religioso
Antes, gostaríamos que você fizesse duas perguntas para si mesmo: Qual é a língua mais útil do mundo? Qual é a língua mais útil para si? A sua resposta vai te direcionar a entrar de corpo e alma no estudo de uma língua. E só lembrando que qualquer um pode aprender qualquer língua: basta persistência, trabalho e treino constantes. Num mundo tecnológico de hoje, não precisa ter dinheiro para estudar as línguas; baste ter tempo, vontade, e uma internet.

7. ALEMÃO
Se juntarmos falantes nativos e não-nativos teremos um pouco mais de 200 milhões de falantes. A Alemanha é o principal país que usa o alemão. É uma língua importante porque os alemães se destacam na cultura e na tecnologia. Sempre teremos nomes alemães importantes em todas as áreas do conhecimento humano. Por isso que é muito diferencial para você saber a língua alemã. Não é uma língua fácil de se aprender. Mas depois dos sustos de primeiro momento tudo se ajeita. O alemão é parente da língua inglesa.

6. RUSSO
Os russos não operam numa outra lógica distante não! É apenas uma ilusão de ótica. Quando você escuta essa língua, entenderá que só o alfabeto é um pouco diferente. Eles usam o alfabeto cirílico. Quando se memoriza esse alfabeto, tudo se normaliza. E o russo é importante porque grandes nomes da filosofia, da literatura, da política contemporânea; perambulam em nosso meio constantemente. O leste europeu é engolido pela influência da Rússia. Não é um idioma difícil! Com garra e dedicação você consegue!

5. ÁRABE
Mas de 20 países usam o árabe. Mais de 400 milhões de pessoas falam essa língua, ao se juntar nativos e não-nativos. É certo que é uma língua com alto grau de variação que chega ser incompreensível entre os falantes. Mas é certo que a religião de Maomé teve e tem um papel unificador importantíssimo. É uma língua da família semítica, mesma família do hebraico que é língua original da Bíblia (antigo testamento). O alfabeto é muito bonito! Teve seu apogeu na Idade Média, pois enquanto a Igreja Católica escravizava a humanidade, os árabes avançavam nas ciências, literatura e etc. Pode estudar essa língua tranquilamente, pois sempre terá seu espaço no mundo. E quem sabe inglês pode aprender com excelentes pessoas nativas pela internet de forma gratuita.

4. ESPANHOL
Língua linda! É uma pena que os brasileiros acham que não precisam estudar essa língua. A importância do espanhol é grandiosa, mas poucos brasileiros a domina e a estuda corretamente. Ela é irmã do português, e, é por isso que nós deveríamos estudá-la de forma séria. Mais de 20 países tem o espanhol como língua oficial. São num total de 500 milhões de falantes nativos e não-nativos. A literatura, a economia, e a cultura fazem do espanhol uma língua global potente. Se o brasileiro não valoriza o espanhol, lá fora todos valorizam muito. Aprenda! É possível você ficar fluente em espanhol em menos de 1 ano sem sair do Brasil. Entre no meu canal do YouTube e vamos aprender juntos.

3. FRANCÊS
Amo a língua francesa! Ela é uma das línguas que mais utilizo no meu dia a dia. Em meu círculo religioso utilizo-a como língua de contato. É da mesma família da língua portuguesa! A literatura, a filosofia, a medicina, a cultura; fazem do francês uma língua de extrema importância. Saber francês vai te posicionar em alta estima. Dependendo de sua formação, é obrigatório dominar essa língua. Mais de 20 países tem o francês como língua oficial. Se juntarmos falantes nativos e não-nativos, teremos quase 300 milhões de pessoas que dominam essa língua. Você encontra pessoas ensinando gratuitamente o francês na internet.

2. CHINÊS
A língua chinesa é totalmente diferente da lógica das línguas ocidentais. E lá, o chinês tem suas divisões. Mandarim é a mais falada. Aprender chinês vai mexer com seu jeito pensante de ser; isso é o que dizem as pessoas que já falam. Seu sistema não é alfabético, mas ideográfico. São milhares de ideogramas que você terá que memorizar. Mas especialistas dizem que com 2 mil ideogramas você se comunica. E a importância do chinês se dá pela sua guinada econômica. Em todo lugar encontramos produtos Made in China. E em muitos outros lugares encontramos o próprio chinês. Estou cansado de encontrar os chinas com lojas de Goiânia...

1.INGLÊS
Sem dúvida! O inglês é a língua mais importante do mundo! Em qualquer lugar você vai encontrar alguém que domina essa língua. Em torna de 10 países tem o inglês como oficial de forma consistente. Estados Unidos e Reino Unido são os dois países [Reino Unido é uma união de ‘países’] mais importantes que tem o inglês como língua oficial. Quase 400 milhões de pessoas tem o inglês como língua nativa. Juntando nativo e não-nativo, há quem estima que 1 bilhão de pessoas falem o inglês com relativa fluência. É uma língua fácil de aprender! Você pode receber gratuitamente aulas de inglês pelo meu canal do YouTube chamado Reis das Línguas.
Eis aí as sete línguas mais poderosas do globo terrestre. Você pode escolher uma ou duas e se esmerar para aprender e ter um diferencial num mundo globalizado. Não precisa aprender todas, mas também, não precisa ficar sem aprender nenhuma. Vá em frente!

domingo, 21 de outubro de 2018

INGLÊS ARCAICO NO INGLÊS MODERNO


INGLÊS ARCAICO NO INGLÊS MODERNO
O arcaísmo se encontra na modernidade. As línguas tiveram que passar por estágios e sempre encontramos vestígios dos estágios anteriores. Esse é o nosso assunto aqui.
Em inglês, como todas as línguas modernas, encontramos rastros de arcaísmo. Arcaico é um termo que significa antigo, tempo passado; algo do passado. O inglês moderno tem muito arcaísmo. Não é em todo texto que isso acontece. O século XVI foi a época do começo da modernidade da língua inglesa. Quero citar duas fontes ricas em arcaísmo que remontam a transição para a modernidade: a Bíblia do Rei Jaime (King James); e os textos de Shakespeare – o maior escritor inglês. Quem gosta desses dois textos devem aprender o arcaísmo da língua inglesa.
Para começar, vamos observar a tabela a seguir:

Subjective (nominative)
Objective (accusative)
Possessive (genitive)
Verb Ending
Irregular Verbs
1st Person Singular
I
me
my, mine 
none
am
2nd Person Singular
thou
thee
thy, thine
-est
art, hast, dost, shalt, wilt
3rd Person Singular
he, she, it
him, her, it
his, her/hers, its
-eth
is, hath, doth
1st Person Plural
we
us
our, ours
none
are
2nd Person Plural
ye
you
your, yours
none
are
3rd Person Plural
they
them
their, theirs
none
are

Essa tabela nos mostra que antigamente o inglês tinha mudança nas conjugações na segunda e terceira pessoas. Sem entrarmos nos pormenores gramaticais, podemos ver que as terminações mudam. Tanto o verbo regular quanto irregular tinham mudanças aqui e ali. Mas vamos ver seus correspondentes; coisas práticas! Queremos expor apenas a praticidade e aplicabilidade dessa questão.
THOU = YOU (você, tu)
THEE = YOU (a você, a vocês)
THY = YOUR (seu, seus, suas, sua)
YE = YOU (VOCÊS)
ART = ARE (são, somos, estão, estamos...)
HAST = HAVE (tem)
DOST = DO (fazer)
SHALT = SHALL (verbo auxiliar)
WILT = WILL (verbo auxiliar)
Veja esse texto com algumas palavras arcaicas. Na verdade é Gênesis 20:2 em que Deus fala o primeiro mandamento:
“I am the Lord THY God which have brought THEE
out of the Land of Egypt, out of the house of
bondage. THOU SHALT no other gods before me.”
Agora tente trocar as palavras arcaicas por termo modernos. Assim, o texto fica mais compreensível. Isso é o que você deve fazer sempre que for ler algum texto que tenha palavras e|ou termos antigos. É claro que os nativos não dominam isso. A grande maioria não tem acesso a isso. Mas as pessoas letradas devem dominar tal detalhe. Essa questão é igual ao VÓS e suas conjugações em português. Não sabemos conjugar direito os verbos nessa pessoa. Sempre temos que ir ao dicionário e a gramática para poder acertar. Nós, brasileiros, não usamos o VÓS.
Então, não se esqueça de uma coisa – não se preocupe com isso e não se hesite em pegar uma gramática, caso encontre algum termo arcaico. Até a próxima.


quinta-feira, 16 de agosto de 2018

TUDO SOBRE O ING NO INGLÊS


TUDO SOBRE O ING NO INGLÊS
A terminação ING tem o seu clássico correspondente em português NDO. A primeira vista, para nós, essa terminação forma o gerúndio, ou ação progressiva, ou simultaneidade somente. Quando estudamos o inglês, percebemos que ela tem muitas outras funções na frase. Talvez passe despercebido na nossa língua por sermos nativos. Quando olhamos para o outro, descobrimos coisas estranhas em nós mesmo!
Em inglês, o ING tem funções diversas! Isso vai depender da frase, do contexto também. As palavras vivem sendo transformadas, isto é, mudando de um sentido para outro. E não é diferente com o ING em inglês. O verbo que recebe o ING pode virar, transformar, tomar sentido de:
1.    Substantivo
2.    Predicado de uma ação
3.    Sujeito
4.    Complemento de outros verbos
5.    Adjetivo
6.    Locução prepositiva
Muito teórico, né?! Mas só para atender aqueles que gostam de teoria. Podemos dizer as mesmas coisas, sendo um pouquinho menos teórico, que o ING na palavra e na frase vai ser:
a)    Uma palavra fazendo o papel de sujeito ou complemento
CUT – cortar              MILL - moer
CUTTING – corte      MILLING - moagem
She delays the cutting and the milling of the sugarcane.
(ela atrasou o corte e a moagem da cana de açúcar)

b)    Uma qualidade, isto é, o verbo vai virar um adjetivo
CUT – cortar                         BURN – queimar, arder
CUTTING – cortante             BURNING – queimante, ardente
A cutting blade is needed.
(Uma lâmina cortante é necessária)
He has a burning desire.
(ele tem um desejo ardente)

c)    Uma palavra qualificadora
WATCH – assistir, observar                        TEACH - ensinar
WATCHING – observação               TEACHING - ensino
Bird watching – observação de pássaros
Language teaching – ensino de línguas

d)    Um conjunto de duas ou mais palavras para direcionar uma ideia
ACCORD – estar de acordo
ACCORDING – de acordo
According to that I believe.
(De acordo com isso eu acredito.)

E a situação mais conhecida que é a de gerúndio, tempo progressivo? Essa função acontece nos três tempos: presente, passado e futuro.
I AM SINGING – eu estou cantando.
I WAS SINGING  – eu estava cantando.
I WILL BE SINGING – eu estarei cantando.
Mas olha para essa situação que é interessante, e pode esclarecer alguma coisa que esteja nebulosa para você:
TO CUT – cortar
CUTTING – cortando
CUTTING – corte
CUTTING – cortar
CUTTING – cortante
TO LOVE – amar
LOVING – amando
LOVING – amor
LOVING – amar
LOVING – amante
E a formação do gerúndio? Para juntar o ING a um verbo, devemos seguir algumas regras. Verbos que terminam em consoantes, simplesmente acrescentamos o sufixo:
Eat – Eating
Watch – Watching
Se o verbo terminar em consoante e tiver só uma sílaba; em outras palavras, se ele for curtinho, dobramos, isto é, repetimos a consoante final:
Put – Putting
Log – Logging
Se o verbo terminar em consoante e tiver mais de uma sílaba, mas o som forte for a última; dobramos também a última letra da palavra para acrescentar ING:
Bigin – Biginning
Control – Controlling
Se o verbo terminar em vogal [E] após consoante, tiramos o [E] e acrescentamos o sufixo ING:
Drive – Driving
Come – Coming
Se o verbo terminar em [EE], só acrescentamos o sufixo:
Agree – Agreeing
See – Seeing
Se o verbo terminar [IE], trocamos o [IE] por [Y] e acrescentamos o ING:
Lie – lying
Die – Dying
Se o verbo terminar em vogal, acrescentamos o ING:
Do – Doing
Se o verbo terminar em [Y], acrescentamos o ING:
Study – Studying
Try – Trying
Convoy – convoying
[Compre já os nossos materiais. Entre nonosso site!]

terça-feira, 5 de junho de 2018

VERBO TO HAVE | TUDO SOBRE ELE


VERBO HAVE  | TUDO SOBRE ELE
O verbo TO HAVE, significa TER, HAVER faz parte do grupo de verbos que atuam como auxiliares e principais. Esse verbo nos dá a liberdade de usar uma das suas formas e funções na frase. Ele, assim como os outros, é muito usado em todo instante. Não temos muitas notas sobre regra de uso dele como tivemos com os outros. Veja as suas formas:
HAVE – HAS – HAVING – HAVEN’T – HASN’T – HAD – ‘VE – ‘S
E seus significados individuais são:
HAVE = tem, tenho, temos
HAS = tem
HAVING = tendo, havendo
HAVEN’T = não tem, não tenho, não temos
HASN’T = não tem
HAD = tinha, tinham, tínhamos, tive, teve, tivemos (TIDO, HAVIDO)
‘VE = tem, tenho, temos (forma contraída)
‘S = tem (forma contraída)
No que se refere às funções, há àquelas que são bem populares e outras não. O contexto, o sentido, vai nos indicar a função. Veja as principais:

1.    VERBO AUXILIAR
O HAVE como auxiliar atua em vários tempos verbais. O passado próximo, assim como o passado distante, têm a necessidade da ajuda dele. Veja nos exemplos que o HAVE deve ser entendido e dominado para que haja compreensão e expressão.
WE HAVE COME FROM COUNTRYSIDE = (nós viemos do interior) [HAVE COME = viemos]
THEY HAD BEEN WAITING FOR THE BUS = (eles estavam esperando o ônibus) [HAD BEEN WAITING = estavam esperando]
I WILL HAVE ARRIVED BY THEN = (eu já terei chegado já a essa hora) [WILL HAVE ARRIVED=terei chagado]

2.    VERBO PRINCIPAL
O HAVE como principal tem várias funções. Observe que esse verbo tem muitas opções de uso quando atuando como principal. Há um momento que você vai encontra-lo auxiliando ele mesmo (I HAVE HAD A CHANCE= eu tive uma chance). Fique ligado! Vejamos as principais:
WE HAVE MUCH TIME = (nós temos muito tempo) [HAVE=temos]
WE HAVEN’T MUCH TIME = (nós não temos muito tempo) [HAVEN’T=não temos
WE DON’T HAVE MUCH TIME = (nós não temos muito tempo) [DON’T HAVE= não temos]
WE HAVE GOT MUCH TIME = (nós temos muito tempo) [HAVE GOT=temos]

3.    VERBO EM EXPRESSÕES
As expressões são muitas, mais as principais são:
a)   HAD BETTER | ‘D BETTER = WOULD BE BETTER
HAD BETTER NOT MISS THE LAST BUS = (seria melhor não perder o último ônibus)
IT WOULD BE BETTER TO YOU NOT TO MISS THE LAST BUS = (seria melhor não perder o último ônibus)

b)    HAVE, HAS = comer, dar, encontrar (ações e experiência; aqui pode ser usado com –ING)
DID YOU HAVE TROUBLES THERE? = (você encontrou problemas lá?)

c)    I AM HAVING AN APPLE = (eu estou comendo uma maçã)
HAVE TO = MUST (ter de)

d)    I HAVE TO LEAVE THIS = I MUST LEAVE THIS = (eu tenho que deixar isso)

Tenha total domínio com os três verbos estudados e você conseguirá sobressair ao constatar a língua inglesa. Tudo isso que expomos aqui pode ser internalizado e dominado com o tempo. Basta usar a língua diariamente e relembrar essas regrinhas esporadicamente.

terça-feira, 1 de maio de 2018

VERBO TO BE | Aprenda Tudo Sobre Ele


VERBO TO BE | Aprenda tudo sobre ele

O verbo TO BE  é também muito usado pelos seus falantes por razões óbvias e necessárias. Para perguntar, negar; os falantes do inglês usam o \BE\ de forma diferente dos demais verbos. A função e as formas do verbo BE são peculiares. Vamos lá!
Só o inglês dos negros usam a forma BE no presente. Não vamos falar sobre isso agora. Vamos tratar das formas e funções que cada tempo tem. As formas do verbo BE são:
BE – BEING – BEEN – IS –AM –ARE – WAS – WERE
ISN’T – AIN’T – AREN’T – WASN’T – WEREN’T
Uma vez que:
ISN’T = IS+NOT
AIN’T = AM+NOT, ARE+NOT
WASN’T = WAS+NOT
WEREN’T = WERE+NOT
O verbo BE será usado nessa forma (BE) quando estiver falando do futuro e de alguns passados. O presente e o passado simples são IS – AM – ARE – WAS – WERE. Como nos demais casos; ao se fazer perguntas, deve-se mudar as posições entre o verbo BE e o sujeito:
I AM A TEACHER. (eu sou professor.)
AM I A TEACHER? (sou eu professor)
Para se encerrar as questões das formas, vamos traduzir cada uma delas:
BE – ser, estar
BEING – sendo, estando
BEEN – sido, estado
IS – é, está
AM – sou, estou
ARE – somos, estamos, são, estão, é, está, sois, estais
WAS – era, estava
WERE – éramos, estávamos, eram, estavam, era, estava
As conjugações ficam assim:
I AM – HE IS – SHE IS – IT IS – WE ARE – YOU ARE – THEY ARE
Que podem ficar na forma contraída; muito popular entre os falantes:
I’M – HE’S – SHE’S – IT’S – WE’RE – YOU’RE – THEY’RE
Você pode encontrar também contração entre pronome e verbo, e entre verbo e advérbio como mostrados acima. Veja a sonorização em vídeo aula (CLICK AQUI).
Falando das funções agora, podemos fazer uma viagem louca. Coisa que as línguas nos oferecem por serem vivas. Por ser o verbo mais usado, encontramos diversos usos e funções. Ao se utilizar a lei do menor esforço, o falante faz muito malabarismos. E entender esses malabarismos deve ser uma busca constante da parte do estudante do inglês. Enumeremos alguns; os mais importantes:

1.    TEMPOS CONTÍNUOS
Todos os tempos contínuos precisam do verbo BE. Seja o passado, presente ou futuro, todos vão precisar do auxílio do BE. É fácil essa questão. Vamos aos exemplos de cada tempo:
I AM TEACHING ENGLISH. (eu estou ensinando inglês)
I WAS TEACHING ENGLISH. (eu estava ensinando inglês)
I WILL BE TEACHING ENGLISH. (eu ensinarei inglês)

2.    VOZ PASSIVA
A voz passiva é outra situação e função que lança mão do verbo BE. Em alguns casos, o verbo GET pode substituir o BE. O certo é que o BE é imbatível quanto ao uso e função na língua inglesa. E é por isso que se estuda tanto ele. Qualquer que for o tempo da voz passiva, o verbo BE será solicitado. Veja alguns exemplos:
THE HOUSE WILL BE PAINTED. (a casa será pintada)
THE HOUSE WAS PAINTED. (a casa foi pintada)
THE HOUSE IS PAINTED. (a casa é pintada)

3.    VERBO PRINCIPAL
Assim como o DO, o BE pode ajudar outros verbos e ser principal também. Na verdade, a peculiaridade que encontramos com este verbo é que ele é independente. Ou seja, quando se fizer negações e interrogações não vai precisar de ajuda de outro verbo. O BE é o único verbo em inglês que tem independência de ação no tempo presente e no tempo passado simples. Isso confunde muito os iniciantes. Para sanar a confusão, basta apenas lembrar-se disso: SOMENTE AS FORMAS (IS – ARE – AM – WAS – WERE) não vão precisar de verbo auxiliar para negar ou perguntar. Vamos lá a alguns exemplos:
YOU ARE A GOOD PERSON. (você é uma boa pessoa)
YOU ARE NOT A GOOD PERSON. (você não é uma boa pessoa)
ARE YOU A GOOD PERSON? (você é uma boa pessoa?)

4.    EXPRESSÕES
Em todas as línguas, expressões idiomáticas são frequentes, daí, não seria diferente na língua inglesa. Há uma infinidade de expressões idiomáticas em inglês. Vamos fazer um esforço de apresentar as mais comuns:
BE ABLE TO = ser capaz de
I AM ABLE TO DO MY HOMEWORK.
(Eu sou capaz de fazer meu dever de casa)

IT IS SAID THAT = disseram que
IT IS SAID THAT THE DOG RUNS A LOT.
(disseram que o cachorro corre muito)

HE IS SAID TO = ele disse que
HE IS SAID TO BE 108 YEARS OLD
(ele disse estar com 108 anos de idade)

HE IS SUPPOSED TO = ele supõe que
HE IS SUPPOSED TO BE FRIEND OF A LOT OF PEOPLE.
(ele supõe que seja [ele supõe ser] amigo de muita gente)

I’M USED TO = estou acostumado a
I’M USED TO LIVING ALONE.
(eu estou acostumado a viver sozinho)

THERE IS = há
THERE IS A DOG HERE.
(há um cachorro aqui)

THERE ARE = há
THERE ARE TWO APPLES THERE.
(há duas maçãs alí)

THERE WAS = havia
THERE WAS A MOUSE HERE.
(havia um rato aqui)

THERE WERE = haviam
THERE WERE FOUR CATS THERE.
(haviam quatro gatos alí)

IS, AM, ARE = MUST (função de ordem e instrução)
NO ONE IS TO LEAVE THIS PLACE = NO ONE MUST LEAVE THIS PLACE
(ninguém deve deixar este lugar)