PENSO, LOGO FALO INGLÊS

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

TUDO SOBRE O ING NO INGLÊS


TUDO SOBRE O ING NO INGLÊS
A terminação ING tem o seu clássico correspondente em português NDO. A primeira vista, para nós, essa terminação forma o gerúndio, ou ação progressiva, ou simultaneidade somente. Quando estudamos o inglês, percebemos que ela tem muitas outras funções na frase. Talvez passe despercebido na nossa língua por sermos nativos. Quando olhamos para o outro, descobrimos coisas estranhas em nós mesmo!
Em inglês, o ING tem funções diversas! Isso vai depender da frase, do contexto também. As palavras vivem sendo transformadas, isto é, mudando de um sentido para outro. E não é diferente com o ING em inglês. O verbo que recebe o ING pode virar, transformar, tomar sentido de:
1.    Substantivo
2.    Predicado de uma ação
3.    Sujeito
4.    Complemento de outros verbos
5.    Adjetivo
6.    Locução prepositiva
Muito teórico, né?! Mas só para atender aqueles que gostam de teoria. Podemos dizer as mesmas coisas, sendo um pouquinho menos teórico, que o ING na palavra e na frase vai ser:
a)    Uma palavra fazendo o papel de sujeito ou complemento
CUT – cortar              MILL - moer
CUTTING – corte      MILLING - moagem
She delays the cutting and the milling of the sugarcane.
(ela atrasou o corte e a moagem da cana de açúcar)

b)    Uma qualidade, isto é, o verbo vai virar um adjetivo
CUT – cortar                         BURN – queimar, arder
CUTTING – cortante             BURNING – queimante, ardente
A cutting blade is needed.
(Uma lâmina cortante é necessária)
He has a burning desire.
(ele tem um desejo ardente)

c)    Uma palavra qualificadora
WATCH – assistir, observar                        TEACH - ensinar
WATCHING – observação               TEACHING - ensino
Bird watching – observação de pássaros
Language teaching – ensino de línguas

d)    Um conjunto de duas ou mais palavras para direcionar uma ideia
ACCORD – estar de acordo
ACCORDING – de acordo
According to that I believe.
(De acordo com isso eu acredito.)

E a situação mais conhecida que é a de gerúndio, tempo progressivo? Essa função acontece nos três tempos: presente, passado e futuro.
I AM SINGING – eu estou cantando.
I WAS SINGING  – eu estava cantando.
I WILL BE SINGING – eu estarei cantando.
Mas olha para essa situação que é interessante, e pode esclarecer alguma coisa que esteja nebulosa para você:
TO CUT – cortar
CUTTING – cortando
CUTTING – corte
CUTTING – cortar
CUTTING – cortante
TO LOVE – amar
LOVING – amando
LOVING – amor
LOVING – amar
LOVING – amante
E a formação do gerúndio? Para juntar o ING a um verbo, devemos seguir algumas regras. Verbos que terminam em consoantes, simplesmente acrescentamos o sufixo:
Eat – Eating
Watch – Watching
Se o verbo terminar em consoante e tiver só uma sílaba; em outras palavras, se ele for curtinho, dobramos, isto é, repetimos a consoante final:
Put – Putting
Log – Logging
Se o verbo terminar em consoante e tiver mais de uma sílaba, mas o som forte for a última; dobramos também a última letra da palavra para acrescentar ING:
Bigin – Biginning
Control – Controlling
Se o verbo terminar em vogal [E] após consoante, tiramos o [E] e acrescentamos o sufixo ING:
Drive – Driving
Come – Coming
Se o verbo terminar em [EE], só acrescentamos o sufixo:
Agree – Agreeing
See – Seeing
Se o verbo terminar [IE], trocamos o [IE] por [Y] e acrescentamos o ING:
Lie – lying
Die – Dying
Se o verbo terminar em vogal, acrescentamos o ING:
Do – Doing
Se o verbo terminar em [Y], acrescentamos o ING:
Study – Studying
Try – Trying
Convoy – convoying
[Compre já os nossos materiais. Entre nonosso site!]

terça-feira, 5 de junho de 2018

VERBO TO HAVE | TUDO SOBRE ELE


VERBO HAVE  | TUDO SOBRE ELE
O verbo TO HAVE, significa TER, HAVER faz parte do grupo de verbos que atuam como auxiliares e principais. Esse verbo nos dá a liberdade de usar uma das suas formas e funções na frase. Ele, assim como os outros, é muito usado em todo instante. Não temos muitas notas sobre regra de uso dele como tivemos com os outros. Veja as suas formas:
HAVE – HAS – HAVING – HAVEN’T – HASN’T – HAD – ‘VE – ‘S
E seus significados individuais são:
HAVE = tem, tenho, temos
HAS = tem
HAVING = tendo, havendo
HAVEN’T = não tem, não tenho, não temos
HASN’T = não tem
HAD = tinha, tinham, tínhamos, tive, teve, tivemos (TIDO, HAVIDO)
‘VE = tem, tenho, temos (forma contraída)
‘S = tem (forma contraída)
No que se refere às funções, há àquelas que são bem populares e outras não. O contexto, o sentido, vai nos indicar a função. Veja as principais:

1.    VERBO AUXILIAR
O HAVE como auxiliar atua em vários tempos verbais. O passado próximo, assim como o passado distante, têm a necessidade da ajuda dele. Veja nos exemplos que o HAVE deve ser entendido e dominado para que haja compreensão e expressão.
WE HAVE COME FROM COUNTRYSIDE = (nós viemos do interior) [HAVE COME = viemos]
THEY HAD BEEN WAITING FOR THE BUS = (eles estavam esperando o ônibus) [HAD BEEN WAITING = estavam esperando]
I WILL HAVE ARRIVED BY THEN = (eu já terei chegado já a essa hora) [WILL HAVE ARRIVED=terei chagado]

2.    VERBO PRINCIPAL
O HAVE como principal tem várias funções. Observe que esse verbo tem muitas opções de uso quando atuando como principal. Há um momento que você vai encontra-lo auxiliando ele mesmo (I HAVE HAD A CHANCE= eu tive uma chance). Fique ligado! Vejamos as principais:
WE HAVE MUCH TIME = (nós temos muito tempo) [HAVE=temos]
WE HAVEN’T MUCH TIME = (nós não temos muito tempo) [HAVEN’T=não temos
WE DON’T HAVE MUCH TIME = (nós não temos muito tempo) [DON’T HAVE= não temos]
WE HAVE GOT MUCH TIME = (nós temos muito tempo) [HAVE GOT=temos]

3.    VERBO EM EXPRESSÕES
As expressões são muitas, mais as principais são:
a)   HAD BETTER | ‘D BETTER = WOULD BE BETTER
HAD BETTER NOT MISS THE LAST BUS = (seria melhor não perder o último ônibus)
IT WOULD BE BETTER TO YOU NOT TO MISS THE LAST BUS = (seria melhor não perder o último ônibus)

b)    HAVE, HAS = comer, dar, encontrar (ações e experiência; aqui pode ser usado com –ING)
DID YOU HAVE TROUBLES THERE? = (você encontrou problemas lá?)

c)    I AM HAVING AN APPLE = (eu estou comendo uma maçã)
HAVE TO = MUST (ter de)

d)    I HAVE TO LEAVE THIS = I MUST LEAVE THIS = (eu tenho que deixar isso)

Tenha total domínio com os três verbos estudados e você conseguirá sobressair ao constatar a língua inglesa. Tudo isso que expomos aqui pode ser internalizado e dominado com o tempo. Basta usar a língua diariamente e relembrar essas regrinhas esporadicamente.

terça-feira, 1 de maio de 2018

VERBO TO BE | Aprenda Tudo Sobre Ele


VERBO TO BE | Aprenda tudo sobre ele

O verbo TO BE  é também muito usado pelos seus falantes por razões óbvias e necessárias. Para perguntar, negar; os falantes do inglês usam o \BE\ de forma diferente dos demais verbos. A função e as formas do verbo BE são peculiares. Vamos lá!
Só o inglês dos negros usam a forma BE no presente. Não vamos falar sobre isso agora. Vamos tratar das formas e funções que cada tempo tem. As formas do verbo BE são:
BE – BEING – BEEN – IS –AM –ARE – WAS – WERE
ISN’T – AIN’T – AREN’T – WASN’T – WEREN’T
Uma vez que:
ISN’T = IS+NOT
AIN’T = AM+NOT, ARE+NOT
WASN’T = WAS+NOT
WEREN’T = WERE+NOT
O verbo BE será usado nessa forma (BE) quando estiver falando do futuro e de alguns passados. O presente e o passado simples são IS – AM – ARE – WAS – WERE. Como nos demais casos; ao se fazer perguntas, deve-se mudar as posições entre o verbo BE e o sujeito:
I AM A TEACHER. (eu sou professor.)
AM I A TEACHER? (sou eu professor)
Para se encerrar as questões das formas, vamos traduzir cada uma delas:
BE – ser, estar
BEING – sendo, estando
BEEN – sido, estado
IS – é, está
AM – sou, estou
ARE – somos, estamos, são, estão, é, está, sois, estais
WAS – era, estava
WERE – éramos, estávamos, eram, estavam, era, estava
As conjugações ficam assim:
I AM – HE IS – SHE IS – IT IS – WE ARE – YOU ARE – THEY ARE
Que podem ficar na forma contraída; muito popular entre os falantes:
I’M – HE’S – SHE’S – IT’S – WE’RE – YOU’RE – THEY’RE
Você pode encontrar também contração entre pronome e verbo, e entre verbo e advérbio como mostrados acima. Veja a sonorização em vídeo aula (CLICK AQUI).
Falando das funções agora, podemos fazer uma viagem louca. Coisa que as línguas nos oferecem por serem vivas. Por ser o verbo mais usado, encontramos diversos usos e funções. Ao se utilizar a lei do menor esforço, o falante faz muito malabarismos. E entender esses malabarismos deve ser uma busca constante da parte do estudante do inglês. Enumeremos alguns; os mais importantes:

1.    TEMPOS CONTÍNUOS
Todos os tempos contínuos precisam do verbo BE. Seja o passado, presente ou futuro, todos vão precisar do auxílio do BE. É fácil essa questão. Vamos aos exemplos de cada tempo:
I AM TEACHING ENGLISH. (eu estou ensinando inglês)
I WAS TEACHING ENGLISH. (eu estava ensinando inglês)
I WILL BE TEACHING ENGLISH. (eu ensinarei inglês)

2.    VOZ PASSIVA
A voz passiva é outra situação e função que lança mão do verbo BE. Em alguns casos, o verbo GET pode substituir o BE. O certo é que o BE é imbatível quanto ao uso e função na língua inglesa. E é por isso que se estuda tanto ele. Qualquer que for o tempo da voz passiva, o verbo BE será solicitado. Veja alguns exemplos:
THE HOUSE WILL BE PAINTED. (a casa será pintada)
THE HOUSE WAS PAINTED. (a casa foi pintada)
THE HOUSE IS PAINTED. (a casa é pintada)

3.    VERBO PRINCIPAL
Assim como o DO, o BE pode ajudar outros verbos e ser principal também. Na verdade, a peculiaridade que encontramos com este verbo é que ele é independente. Ou seja, quando se fizer negações e interrogações não vai precisar de ajuda de outro verbo. O BE é o único verbo em inglês que tem independência de ação no tempo presente e no tempo passado simples. Isso confunde muito os iniciantes. Para sanar a confusão, basta apenas lembrar-se disso: SOMENTE AS FORMAS (IS – ARE – AM – WAS – WERE) não vão precisar de verbo auxiliar para negar ou perguntar. Vamos lá a alguns exemplos:
YOU ARE A GOOD PERSON. (você é uma boa pessoa)
YOU ARE NOT A GOOD PERSON. (você não é uma boa pessoa)
ARE YOU A GOOD PERSON? (você é uma boa pessoa?)

4.    EXPRESSÕES
Em todas as línguas, expressões idiomáticas são frequentes, daí, não seria diferente na língua inglesa. Há uma infinidade de expressões idiomáticas em inglês. Vamos fazer um esforço de apresentar as mais comuns:
BE ABLE TO = ser capaz de
I AM ABLE TO DO MY HOMEWORK.
(Eu sou capaz de fazer meu dever de casa)

IT IS SAID THAT = disseram que
IT IS SAID THAT THE DOG RUNS A LOT.
(disseram que o cachorro corre muito)

HE IS SAID TO = ele disse que
HE IS SAID TO BE 108 YEARS OLD
(ele disse estar com 108 anos de idade)

HE IS SUPPOSED TO = ele supõe que
HE IS SUPPOSED TO BE FRIEND OF A LOT OF PEOPLE.
(ele supõe que seja [ele supõe ser] amigo de muita gente)

I’M USED TO = estou acostumado a
I’M USED TO LIVING ALONE.
(eu estou acostumado a viver sozinho)

THERE IS = há
THERE IS A DOG HERE.
(há um cachorro aqui)

THERE ARE = há
THERE ARE TWO APPLES THERE.
(há duas maçãs alí)

THERE WAS = havia
THERE WAS A MOUSE HERE.
(havia um rato aqui)

THERE WERE = haviam
THERE WERE FOUR CATS THERE.
(haviam quatro gatos alí)

IS, AM, ARE = MUST (função de ordem e instrução)
NO ONE IS TO LEAVE THIS PLACE = NO ONE MUST LEAVE THIS PLACE
(ninguém deve deixar este lugar)




segunda-feira, 30 de abril de 2018

VERBO TO DO | APRENDA TUDO SOBRE O VERBO TO DO


VERBO TO DO | Aprenda tudo sobre ele

A língua inglesa faz parte, nas classificações, das línguas chamadas sintéticas que se opõe as línguas chamadas analíticas. O português é analítico. Língua analítica tem muitas terminações nos seus vocábulos. E, em linhas gerais, a língua sintética não apresenta muitas variações em seus vocábulos. E é isso que faz a língua inglesa ser fácil e palatável.
O verbo TO DO é muito usado pelos seus falantes por razões óbvias e necessárias. Para perguntar, negar e até mesmo afirmar; os falantes do inglês usam o \DO\.  Não se esqueça de um detalhe importante da língua inglesa – a posição das palavras na frase é diferente da posição das palavras em português. Depende das formas e funções de cada uma delas.
Vamos memorizar as formas do verbo TO DO:
DO – DOES – DON’T – DOESN’T – DOING – DID – DIDN’T – DONE
DO = fazer
DID = fez
DONE = feito
DOING = fazendo

Essas são as formas; todas elas. Não existe outra. Memorize a forma e som; pronúncia. Só lembrando que DON’T é DO+NOT, DOESN’T é DOES+NOT e DIDN’T é DID+NOT. Se você quiser ouvir a sonorização dessas palavras, vá lá no meu canal do YOUTUBE Reisdas Línguas!
Já as funções são diversas. Vale apenas sabê-las para usá-las nos momentos certos. Podemos destacar as funções mais usadas e que, se não houver consciência e domínio, o falante pode se dar mal em muitas situações.
1.    FUNÇÃO DE VERBO AUXILIAR
Quando a palavra DO estiver na função de auxílio a outra; não traduzimos. Ela fica sem tradução! Acontece em dois momentos: quando usamos os verbos no presente e no passado. Como assim? Nas três formas (afirmação, interrogação e negação) e nos dois tempos (presente e passado); todos os verbos [COM EXCESSÃO DO BE] precisam de ajuda do DO. O mais complicado é o passado porque o verbo principal que está no passado tem que ficar no presente e o DO é que deve ir para o passado. Isso confunde a cabeça do iniciante. Deve-se praticar muito para se memorizar isso. Veja
PRESENTE
You love Mary. (você ama Maria) (afirmação)
You don’t love Mary. (você não ama Maria) (negação)
Do you love Mary? (você ama Maria) (interrogação)
PASSADO
You loved Mary. (você amou Maria) (afirmação)
You didn’t love Mary. (você não amou Maria) (negação)
Did you love Mary? (você amou Maria) (interrogação)
Qualquer mudança de tempo ou de forma deve acontece no auxiliar e não no verbo principal. Observe as palavras destacadas. Isso acontece com a terceira pessoa do tempo presente. Veja:
HE LOVES MARY. (afirmação)
HE DOESN’T LOVE MARY. (negação)
DOES HE LOVE MARY?. (interrogação)
A palavra ou a ideia, função de HE, SHE e IT obedece essa lógica do auxiliar DO nas perguntas e negações.
Há um fato curioso no inglês coloquial de se usar o auxiliar DO nas afirmações tanto no presente quanto no passado. Isso seria para a tal lei do menor esforço. Então podemos formar, aliás, os nativos do inglês formam o presente de duas formas. Veja:
HE LOVES MARY. (ele ama Maria) (afirmação)
HE DOES LOVE MARY. (ele ama Maria) (afirmação)
YOU LOVED MARY. (você amou Maria) (afirmação)
YOU DID LOVE MARY. (você amou Maria) (afirmação)
Quando forem frases afirmativas, as mudanças formais acontecem ou no verbo principal ou no auxiliar. Memorize e pratique isso
2.    FUNÇÃO DE VERBO PRINCIPAL
A função de verbo principal é um pouco confuso só para o iniciante. Neste momento o DO tem tradução e significa fazer. Muito simples.
PRESENTE
I DO – eu faço
YOU DO – você faz, vocês fazem
HE DOES – ele faz
SHE DOES – ela faz
IT DOES – ele ou ela ou isso faz
WE DO – nós fazemos
THEY DO – eles ou elas fazem
PASSADO
I DID – eu fiz
YOU DID – você fez, vocês fazeram
HE DID – ele fez
SHE DID – ela fez
IT DID – ele ou ela ou isso fez
WE DID – nós fizemos
THEY DID – eles ou elas fizeram
Como todos os verbos, o TO DO, como principal, precisa de ajuda para fazer perguntas e negações. Veja:
DO YOU DO THAT? (Você faz isso?)
YOU DON’T DO THAT. (Você não faz isso.)
YOU DO THAT. (Você faz isso.)
YOU DID THAT. (Você fez isso.)
YOU DIDN’T DO THAT. (Você não fez isso.)
DID YOU DO THAT? (Você fez isso?)
3.    FUNÇÃO DE PALAVRA SUBSTITUTA
A terceira função é simples! Para evitar repetir uma palavra ou um grupo de palavras, o auxiliar DO vai representar a palavra ou as palavras que foram mencionadas antes. Isso acontece muito no Question Tag, frases interrogativas e construções de tendências repetitivas. Veja:
MY FATHER WANTS TO LIVE IN THE COUNTRY, BUT I DON’T. (Meu pai quer morar no país, mas eu não.) [don’t = not to want to live in the country]
DO YOU DRINK WATER? YES, I DO. (Você bebe água? Sim!) [DO = drink water]
Está aí! Boa memorização para se tornar um falante útil do inglês. Não basta falar, tem que ser útil ao se falar! Até a próxima.



domingo, 29 de abril de 2018

FALAR INGLÊS IGUAL NATIVOS!


FALAR INGLÊS IGUAL NATIVOS | POR QUE COMEÇAR PELA GRAMÁTICA?

O que é língua? É um código lógico em que todos podem dominar. E esse código pode se apresentar de forma diferente no intuito de ampliar a comunicação entre os homens. Outra definição é que língua é um instrumento de comunicação, instrumento este lógico e cheio de regras para possibilitar o ir e vir de mensagens entre pessoas. É um conjunto organizado de elementos sonoros, visuais e táteis a fim de viabilizar a comunicação entre os pares. O inglês, o português, o grego, o árabe, o japonês, o chinês e etc são códigos lógicos em que suas comunidades se comunicam com suas particulares. E cada língua tem suas peculiaridades de pensar e expressar o pensamento; e por isso que ao se falar uma língua não basta apenas decodificar símbolos, deve-se adentrar no mundo das ideias e cultura dos seus nativos. O inglês é uma floresta de culturas distintas, mas dominável facilmente.
Se você bem notou, já temos aqui a razão do porquê começar estudar inglês pela gramática que ela apresenta. Quando eu falo gramática, deve-se fazer uma distinção – há duas gramáticas em toda língua; com exceção das línguas ágrafas. O povo tem uma gramática e os especialistas das línguas tem outra gramática. A gramática descritiva é criada e mantida pela sociedade, pelas pessoas. Suas regras são naturais. Já a gramática prescritiva é criada e mantida pelos especialistas da língua. Suas regras são naturalizadas e fixadas como padrão a ser seguido por todos. A sociedade vive o dilema entre as duas. Uma, muitas vezes, condena a outra. O certo é que deveríamos dominar ambas para podermos nos mover em todos os ambientes. Em inglês temos um exemplo disso.
HAVE YOU FINISHED? (você terminou?) [GRAMÁTICA DOS ESPECIALISTAS
ARE YOU  FINISHED? (você terminou?) [GRAMÁTICA DO POVO]
As crianças e o povão conjugam assim: YOU IS, ao invés de YOU ARE. E assim a vida vai seguindo nos países de língua inglesa.
A questão do sotaque é interessante. Sotaque não é gramática. Há dezenas de dezenas de sotaques de nativos da língua inglesa pelo mundo. Há mais de dez países que tem o inglês como língua oficial e seus falantes são nativos, mas todos estudam, praticam, erram e acertam a mesma gramática. Daí ser interessante dominar a gramática. É ela que te dará recurso de articular pensamento e entender mensagem. Ninguém fala fora da gramática. Ou se fala pela gramática do povo, ou se fala pela gramática dos especialistas. Mas ninguém fala fora dela.
É a gramática que vai organizar o funcionamento da língua. Existe uma ordem lógica para se pôr as palavras. Caso contrário não haverá comunicação. E quando se internaliza essa organização lógica, o falante se padroniza nas articulações das ideias e mensagens. Há uma infinidade de possibilidades dentro da lógica linguística de cada idioma. O inglês tem uma gramática enxuta, fácil de se dominar. Estudar gramática é o caminho para avançar com rapidez nas estruturas da língua; da mais simples a mais complexa estrutura pensante da língua.
Dizem que as crianças tem mais facilidade para aprender uma língua. Mas os adultos tem uma vantagem frente às crianças – eles já são experientes na sua língua nativa, no nosso caso o português. E isso deve ser usado ao nosso favor. O adulto tem mais razão de começar pela gramática que a criança.
Dominar a gramática do inglês significa que você vai descobrir, aprender a organização estrutural do inglês; e exercitar o input e o output. Falar é mais difícil que entender, por isso você deve praticar a saída (output) em abundância. O exercício é tudo. Eu dou uma assessoria quanto aos melhores exercícios no meu livro (CLICK AQUI), e no meu canal (CLICK AQUI).
Sem mais delongas, bom estudo e até a próxima!!!